Zumbido

 

O que é zumbido?

O zumbido é definido como a sensação de som nos ouvidos ou na cabeça na ausência de fonte sonora externa. O barulho pode ser ouvido como um apito, cigarra, grilo, motor de carro, onda do mar. Ele pode ser constante, intermitente ou acompanhar a pulsação ou a frequência dos movimentos respiratórios. Em geral refere-se um aumento da intensidade e do incômodo causado pelo zumbido em ambientes silenciosos.

 

O zumbido é comum?

A ocorrência ocasional do zumbido é bastante comum, de forma que quase todas as pessoas experimenta pelo menos um episódio de zumbido durante a vida. O zumbido crônico, bem menos frequente, também não é considerado incomum, acometendo até 10% da população de indivíduos maiores de 60 anos.

 

Quais são as causas do zumbido?

As causas de zumbido são muitas e variam dentro de uma extensa gama de doenças. A principal delas é a perda auditiva decorrente de envelhecimento, exposição a ruído, doenças dos ouvidos como otites entre outras. Alterações metabólicas e hormonais como diabetes, hipoglicemia, hiper ou hipotireoidismo, aumento do colesterol e/ou triglicérides também estão relacionadas ao aparecimento do zumbido em muitos casos. Outros fatores como a hipertensão, tabagismo, etilismo e o uso de alguns medicamentos também devem ser cogitados como causas. Condições graves e doenças neurológicas são felizmente infrequentes causadoras de zumbido, porém a avaliação médica é muito importante para que tais fatores não passem despercebidos e o diagnóstico seja tardio.

 

Qual o tratamento para o zumbido?

Como em todas as doenças, deve-se sempre que possível tratar a causa do sintoma, por isso se faz tão importante a avaliação médica nos casos de zumbido. Além do tratamento específico para cada causa, há recomendações gerais que são feitas na grande maioria dos casos. A alimentação deve ser balanceada e fracionada em pequenas porções ao longo do dia de modo a evitar períodos de jejum maiores que 3 horas. Aconselha-se evitar a ingestão de carboidratos em grandes quantidades como massas, pães, batata, biscoitos, doces e açúcar; assim como reduzir ao máximo o consumo de substâncias estimulantes como café, chá preto, chocolate, álcool e refrigerantes do tipo cola e, por fim, cessar o tabagismo. Nos casos em que há perda auditiva associada ao zumbido, o uso de dispositivos da amplificação sonora (aparelhos auditivos) auxilia muito a redução do mesmo. Outros dispositivos como os geradores sonoros também são benéficos quando utilizados de maneira bem orientada por profissionais especializados. As alterações emocionais que ocorrem em pacientes com zumbido crônico devem ser muito bem avaliadas e seu tratamento deve estar entre as prioridades daqueles que assistem o paciente. Ansiedade e depressão não são incomuns entre os que sofrem com o zumbido. A melhora de tais sintomas baseia-se tanto num atendimento atencioso que prima por esclarecer todas as dúvidas e angústias que o paciente possa ter, quanto no uso de medicações ansiolíticas ou antidepressivas, assim como acompanhamento psicológico se necessário.

Veja mais Orientações Clicando Aqui